Museu de Arte Moderna de São Paulo

O Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) é uma das mais importantes instituições culturais do Brasil.

Localiza-se sob uma marquise do Parque Ibirapuera, em São Paulo, em um edifício inserido no conjunto arquitetônico projetado por Oscar Niemeyer em 1954 e reformado por Lina Bo Bardi em 1982 para abrigar o museu.

É uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sem fins lucrativos, que tem por objetivo uma conservação, extroversão e ampliação de seu patrimônio artístico, divulgação de arte moderna e contemporânea e organização de exposições e atividades culturais e educativas.

O museu foi fundado por Francisco Matarazzo Sobrinho, dito Ciccillo Matarazzo, em 1948, concomitante ao surgimento do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, ambos inspirados pelo Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA) e frutos do ambiente de grande efervescência cultural e progresso socioeconômico que caracterizou o Brasil na década de 1940. Ao longo de sua história, o MAM se notabilizou por sua agenda agenda cultural e por iniciativas importantes voltadas à sedimentação e difusão da arte moderna na sociedade brasileira, por uma criação da Bienal Internacional de São Paulo. Amealhou também, nos seus artistas, um notável acervo artístico, agregando obras de alguns dos mais relevantes e internacionais das artes visuais no século XX.

Sucessivas crises institucionais e dificuldades financeiras, entre, levaram ao rompimento do fundador com o conselho diretor do museu, resultando na sua extinção temporária e doação de todo o seu patrimônio à Universidade de São Paulo (que utiliza como base de seu Museu de Arte Contemporânea).

hoje focado na arte contemporânea, apesar de sua denominação. Permaneceu, entretanto, como referência importante na vida cultural do país.

O acervo conta hoje com mais de 5.000 peças, um produto produzido por artistas brasileiros ativos da década de 1960 em diante. Mantém o Jardim de Esculturas, um espaço de 6.000 metros quadrados projetados por Roberto Burle Marx, onde são expostas obras do acervo a céu aberto. Possui uma das maiores bibliotecas especializadas em arte da cidade de São Paulo, com mais de 60.000 volumes, além de um setor de publicações próprias, responsável pela edição de catálogos e pela revista Trimestral Moderno.

Desde 1969 organiza uma mostra bemal Panorama da Arte Atual Brasileira, uma das mais tradicionais exposições periódicas do país e importante para uma ampliação do acervo.